domingo, 3 de maio de 2015

não se importando demais com coisa nenhuma




Arte de Shinji Nakabori


"O certo era a gente estar sempre brabo de alegre, alegre por dentro, mesmo com tudo de ruim que acontecesse, alegre nas profundezas. Podia? Alegre era a gente viver devagarinho, miudinho, não se importando demais com coisa nenhuma."

Guimarães Rosa, 'Grande Sertão Veredas'

sábado, 2 de maio de 2015

vida,a gente pode desfrutar intensamente, enquanto o jogo durar





Arte de Richard Macneil.



Fique feliz.
A vida é só
um desenho de giz
na calçada.

Amanhã,
não tem mais nada.

Cante e dance.
A vida é só um lance
num jogo de azar
que, definitivamente,
não se pode ganhar
mas que a gente
pode desfrutar
intensamente,
enquanto o jogo durar.


Letícia Lanz

sexta-feira, 1 de maio de 2015

você se basta sem precisar de um arsenal de coisas




Arte de Vladimir Zhdanov

"Embora as pessoas reclamem com imensa frequência daquilo que não possuem, existe outra questão que merece toda a nossa atenção: aquilo que possuímos em excesso.

Aliás, os excessos costumam ser mais prejudiciais que as faltas, mas demoram mais para serem percebidos. As faltas nós notamos imediatamente, os excessos só quando despertam a nossa consciência.

Comemos em excesso (observe você mesmo), trabalhamos em excesso (anda cansado, não é?), guardamos coisas em excesso (dê uma olhada em suas gavetas), nos importamos em excesso com a opinião dos outros...

Há um excesso de preocupações e acúmulo de “gorduras” em diversas áreas de nossas vidas.

Em geral, possuímos mais do que necessitamos para ser feliz, mas continuamos insistindo na desculpa de que não somos felizes porque nos falta alguma coisa. E de fato falta: falta assumirmos um estilo de vida mais franco, sincero e liberto.

Tudo o que temos em excesso demanda tempo e energia para ser administrado. Roupas demais, CDs demais, bagunça demais, lembranças demais (fique com as que valem a pena, pelo aprendizado ou felicidade que trouxeram), compromissos demais, pressa demais.

(...)Nada é mais gratificante que a liberdade, a sensação de que você se basta sem precisar de um arsenal de coisas (...)"


Carlos Hilsdorf

quinta-feira, 30 de abril de 2015

A vida é uma mesa posta, com venenos mortais, pratos insossos e outros deliciosos.

 
Arte de Maria Sherbinina


"Use seu tempo e dinheiro (já que você tem ao menos o suficiente) para sua alegria. A vida é uma mesa posta, com venenos mortais, pratos insossos e outros deliciosos. Alguns conscientemente escolhem veneno, achando que viver é sofrer, e ponto final. Outros comem - e vivem - sem sal. Mas há os que, quando podem, pegam as delícias da vida e assim se salvam da areia movediça da depressão. Espero que você não ache que prazer é ruim. Opte pelo positivo. Queira ser um pouco feliz, entusiasme-se por alguma coisa possível de atingir dentro de suas condições, faça um esforço para se libertar do pessimismo. Pensar sempre negativo vira doença, uma osteoporose da alma."

Lya Luft

Receita da família perfeita:Bobagem. Tudo ilusão. Não existe




Arte de  Chrissie Snelling


"O pior é que ainda tem gente que acredita na receita da família perfeita. Bobagem. Tudo ilusão. Não existe "Família à Oswaldo Aranha", "Família à Rossini", "Família à Belle Meunière" ou "Família ao Molho Pardo" - em que o sangue é fundamental para o preparo da iguaria. Família é afinidade, é "À Moda da Casa". E cada casa gosta de preparar a família a seu jeito. 

Há famílias doces. Outras, meio amargas. Outras, apimentadíssimas. Há também as que não têm gosto de nada - seriam assim um tipo de "Família Diet", que você suporta só para manter a linha. Seja como for, família é prato que deve ser servido sempre quente, quentíssimo. Uma família fria é insuportável, impossível de se engolir.

Há famílias, por exemplo, que levam muito tempo para serem preparadas. Fica aquela receita cheia de recomendações de se fazer assim ou assado - uma chatice! Outras, ao contrário, se fazem de repente, de uma hora para outra, por atração física incontrolável - quase sempre de noite. Você acorda de manhã, feliz da vida, e quando vai ver já está com a família feita. por isso é bom saber a hora certa de abaixar o fogo. Já vi famílias inteiras abortadas por causa de fogo alto.

Enfim, receita de família não se copia, se inventa. A gente vai aprendendo aos poucos, improvisando e transmitindo o que sabe no dia-a-dia. A gente cata um registro ali, de alguém que sabe e conta, e outro aqui, que ficou no pedaço de papel. Muita coisa se perde na lembrança. Principalmente, na cabeça de um velho já meio caduco como eu. O que este veterano cozinheiro pode dizer é que, por mais sem graça, por pior que seja o paladar, família é prato que você tem que experimentar e comer. Se puder saborear, saboreie. Não ligue para etiquetas. Passe o pão naquele molhinho que ficou na porcelana, na louça, no alumínio ou no barro. Aproveite ao máximo. Família é prato que, quando se acaba, nunca mais se repete."

Trecho do livro "O Arroz de Palma", de Francisco Azevedo

somos apenas um corpo buscando certezas pra encarar a rotina

  



Arte:Hilda de Duane Bryers

"Somos o que somos dentro do nosso pijama, quando despimos nossa armadura de forte pra contemplar o sono, ou a insônia. Somos a face amanhecida na quentura do leito, somos apenas um corpo buscando certezas pra encarar a rotina e, com maestria, revestimos nossa pele com o que queremos realmente ser. E nem somos, mas sempre tentamos."

Ju Fuzetto.

quarta-feira, 29 de abril de 2015

pré-ocupação é tão eficaz quanto mascar chiclete para tentar resolver uma equação de álgebra.

 
Arte de Ricardo Fernandez Ortega.

"(...) Não se preocupe com o futuro.
Ou então preocupe-se, se quiser, mas saiba que pré-ocupação é tão eficaz quanto mascar chiclete para tentar
resolver uma equação de álgebra.
As encrencas de verdade em sua vida tendem a vir de coisas que nunca passaram pela sua cabeça preocupada,
E te pegam no ponto fraco às 4 da tarde de uma terça-feira horrorenta. (...)"
 
 

terça-feira, 28 de abril de 2015

A dor psíquica possibilita um diálogo.–amanse-a.




Arte de Paul Kelley
 
(...) Se for uma dor interna, tomar um analgésico e esperar que passe. Não se pode dialogar com a dor física. Músculos, nervos, órgãos, pele, essa turma não escuta ninguém. Ainda bem que (com exceção das dores crônicas) não são dores constantes, e sim pontuais. De repente, somem.


Já a dor psíquica não é tão breve. Pode durar semanas. Meses. Sem querer ser alarmista, pode durar uma vida. Porém, ela é mais elegante que a dor física: nos dá a chance de chamá-la para um duelo, ao contrário da outra, que é um ataque covarde. A dor psíquica possibilita um diálogo, e isso torna a luta menos desigual. São dois pesos-pesados, sendo que você é o favorito. Escolha suas armas para vencê-la.


Armas? Por exemplo: redija cartas para si mesmo. Escreva sobre o que você sente e depois planeje seus próximos passos. Escrever exorciza, invoca energia. Cartas e cartas para si mesmo, estabelecendo uma relação íntima entre você e sua dor –amanse-a.


Terapia. A cura pela fala. Você buscando explicar em palavras como foi que permitiu que ela ganhasse espaço para se instalar, de onde você imagina que ela veio, quem a ajudou a se apoderar de você.


Uma investigação minuciosa sobre como ela se desenvolveu e sobre a acolhida que recebeu: sim, nós e nossas dores muitas vezes nos tornamos um só. É difícil a gente se apartar do que nos dói, pois às vezes é a única coisa que dá sentido à nossa vida.

(...)Quem não dialoga com sua dor psíquica, não a reconhece como a inimiga admirável que é, capaz de torná-lo um ser humano melhor. A reduz a uma simples dor de dente e, como uma criança, desespera-se sozinho no escuro.”

Martha Medeiros

E a vida, aos poucos, vai nos direcionando para o nosso melhor




Arte de Candace Lovely

E a vida, aos poucos, vai nos direcionando para o nosso melhor;
tira e coloca pessoas na nossa trajetória que farão toda a diferença... Uns nos farão crescer, darão a mão (e o coração junto) enquanto outros, somente nos enraízam, atrasam a evolução...
O discernimento só chega quando estamos dispostos a mudar, quando o AMOR chega, quando as coisas de sempre já não vibram mais...
Uma hora faz o "plim".
E muda tudo.
E é sutil, assim mesmo.
A gente cresce.
E o que não está mais ali, não é mais para estar.
Sem sofrimentos; quem de fato quer nosso bem estará ao lado nos passos mais importantes.
O resto, é pequeno e transitório...

Carolina Salcides



Não mude sua natureza se alguém te faz algum mal, não perca sua essência; apenas tome precauções.



Arte de Heather Galler

"Um mestre do Oriente viu quando uma cobra estava morrendo queimada e decidiu tirá-la do fogo, mas quando o fez, a cobra o picou. Pela reação de dor, o mestre o soltou e o animal caiu de novo no fogo e estava se queimando de novo. O mestre tentou tirá-la novamente e novamente a cobra o picou. Alguém que estava observando se aproximou do mestre e lhe disse:
— Desculpe-me, mas você é teimoso! Não entende que todas as vezes que tentar tirá-la do fogo ela irá picá-lo?
O mestre respondeu:
— A natureza da cobra é picar, e isto não vai mudar a minha, que é ajudar.
Então, com a ajuda de um pedaço de ferro o mestre tirou a cobra do fogo e salvou sua vida.
Não mude sua natureza se alguém te faz algum mal, não perca sua essência; apenas tome precauções.
Alguns perseguem a felicidade, outros a criam.
Preocupe-se mais com sua consciência do que com a sua reputação. Porque sua consciência é o que você é, e sua reputação é o que os outros pensam de você. E o que os outros pensam, não é problema nosso... é problema deles."

(Coletânea: Depósito de Conhecimento)