segunda-feira, 27 de julho de 2015

Sempre quis alguém que ouvisse o que minha alma não sabe dizer



Arte de Sandra Bierman


"Sempre quis alguém que me ouvisse. Não as bobagens que falo de vez em sempre. Mas o que minha alma não sabe dizer. Que fizesse esforço para captar tudo que não sai da minha boca."

Clarissa Corrêa

domingo, 26 de julho de 2015

temos hoje força e maturidade suficientes para desatar certos nós, diminuir a angústia e a tristeza




Arte de  Santiago Carbonell

"(...) Assim, lhe peço: pare de vez em quando, principalmente nos momentos difíceis, e tenha a coragem de olhar bem lá dentro de você. Encontre seu baú, abra-o, olhe o que está dentro e veja o tamanho da riqueza que ele abriga: recordações, emoções, sabedorias, experiências de vida… Mesmo que isso lhe amedronte, não desista. Mexa nas coisas, segure-as na mão, sinta-as e busque as respostas necessárias para o momento. Não pense que isso será fácil, pois é preciso coragem. Mesmo que você não tenha consciência disso, seu medo é grande, já que, no fundo, você sabe que escondeu certas coisas ali dentro por não ter tido coragem ou condições de enfrentá-las. Mas encare esse medo de frente e abra seu baú. Talvez você também descubra, como eu, que seu sofrimento atual pode ser um reflexo de algo do passado, que você guardou por não dar conta de resolver na época. E é possível que você também perceba que tem hoje força e maturidade suficientes para tirar algo do baú para finalmente resolver, desatando certos nós, diminuindo a angústia e a tristeza, ganhando espaço para guardar outras coisas, talvez para guardar mais coisas boas.
De minha parte, espero ter a sabedoria de olhar mais vezes para o que está no meu “baú da vovó”, pois sei que ainda há muita coisa interessante lá dentro"


Gustl Rosenkranz

Desabafo a gente faz a quem torce verdadeiramente pra que os ventos mudem



Arte de  Chie Yoshii

"Aprenda a se preservar. A falar pouco ou quase nada. Aprenda que coisas do coração são coisas sagradas, e só devem ser ditas a quem vai ouvi-las com carinho e ficar feliz junto contigo. Alguém que, ao ouvir que algo te incomoda, vai torcer muito pra que isso passe, e que você supere. Desabafo a gente faz a quem torce verdadeiramente pra que os ventos mudem, e os caminhos bons apareçam na nossa frente.

Karla Tabalipa

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Feliz de quem cresce mesmo aos trancos.




Arte de Paulie Rollins

"Felicidade não tem a ver com oba-oba, riso frouxo, vida ganha. Isso é alegria, que também é ótima, mas que não tem a profundidade de uma felicidade genuína que engloba não só a alegria como a tristeza também. Felicidade é ter consciência de que estar apto para o sentimento é um privilégio, e que quando estou melancólica, nostálgica, introvertida, decepcionada, isso também é uma conexão com o mundo, isso também traz evolução, aprendizado.

Feliz de quem cresce. Mesmo aos trancos.

Infelicidade, ao contrário, é inércia. A pessoa pode passar a vida inteira sem ter sofrido nada de relevante, nenhuma dor aguda, mas atravessa os dias sem entusiasmo, anestesiada pelo lugar-comum, paralisada por seu próprio olhar crítico, que julga os outros sem nenhuma condescendência. Para ela, todos são fracos, desajustados ou incompetentes, e não sobra afetividade nem para si mesma: se está sozinha ou acompanhada, tanto faz. Se lá fora o sol brilha ou se chove, tanto faz. Se há a expectativa de uma festa ou a iminência de uma indiada, tanto faz.

Essa indiferença em relação ao que os dias oferecem é uma morte que respira, mas ainda assim, uma morte."

Martha Medeiros

quarta-feira, 22 de julho de 2015

sentir que o gostinho bom de dar amor é tão saboroso quanto o de recebê-lo

 
 Arte de Richard Macneil
 
"(...) Mas, à medida em que começamos a abrir o nosso coração, é inevitável não sentir que ser amáveis e cuidadosos uns com os outros não é um favor, uma concessão. Inevitável não sentir que o gostinho bom de dar amor é tão saboroso quanto o de recebê-lo."

Ana Jácomo

terça-feira, 21 de julho de 2015

Sim, sua felicidade vai incomodar.


Arte de Igor Zenin

"Sim, sua felicidade vai incomodar. Vão se revoltar, te criticar, tentar te irritar e desestabilizar. Pela ousadia de ser feliz, vão tentar te punir. Mas oh! Não se entristeça, não se esconda, faça o que de melhor sabe fazer:
Sorrir!"


Rachel Carvalho

domingo, 19 de julho de 2015

"Não pude evitar. É minha natureza."



A Fábula do Escorpião e do Sapo

Um dia, um escorpião olhou ao seu redor na montanha onde vivia e decidiu que queria uma mudança. Ele, então, partiu numa jornada através de florestas e colinas. Ele passou sobre pedras e sob vinhas e continuou em frente até alcançar um rio.
O rio era largo e rápido, e o escorpião parou para reconsiderar a situação. Ele não via nenhum caminho através. Ele correu rio acima e verificou abaixo, o tempo todo pensando que talvez tivesse que voltar.
De repente, ele viu um sapo sentado nos juncos na margem da correnteza do outro lado do rio.
"Olá, Sr. Sapo!" chamou o escorpião sobre a água, "Você faria a gentileza de me dar uma carona nas suas costas para atravessar o rio?"
"Mas bem, Sr. Escorpião! Como sei que, se eu tentar ajudá-lo, você não vai tentar matar-me?", perguntou o sapo hesitantemente. "Porque", respondeu o escorpião, "se eu tentar matá-lo, eu também morreria, pois você bem vê que não sei nadar!"
Isso pareceu fazer sentido ao sapo, mas ele perguntou: "e quando eu me aproximar da margem? Você ainda poderia tentar me matar e voltar para a terra!"
"Isso é verdade", concordou o escorpião, "mas aí eu não seria capaz de chegar ao outro lado do rio!"
"Certo... com saberei que você não vai esperar até que atravessemos o rio e então me matar?", perguntou o sapo.
"Ah", murmurou o escorpião, "porque após você me ajudar a atravessar o rio eu estarei tão grato por sua ajuda que seria muito injusto recompensá-lo com a morte, não seria?"
Então o sapo concordou em levar o escorpião através do rio. Ele nadou para a margem e se posicionou na lama para pegar seu passageiro. O escorpião rastejou para as costas do sapo, suas garras afiadas espetando o couro macio do sapo, e o sapo escorregou para dentro do rio. A água lamacenta rodopiou em volta deles, mas o sapo se manteve próximo à superfície para que o escorpião não se afogasse. Ele esperneou com força na primeira metade da correnteza, suas patas batendo contra o rio.
O sapo sentiu uma forte picada e sabia que o escorpião o havia espetado. "Por que você fez isso", perguntou ele, "se você me ferroar vamos ambos afogar". Disse o escorpião: "perdoe-me, mas não posso evitar pois é minha natureza. Não farei de novo." Então o sapo continuou a nadar e, alguns minutos depois, sentiu outra ferroada. "Escorpião", disse ele, se você ferroar não poderei levá-lo através do rio e nos afogaremos ambos."
"Não foi minha intenção", disse o escorpião. "É minha natureza mas não acontecerá de novo".
Eles estava quase do outro lado do rio, quando o sapo sentiu uma terceira ferroada aguda nas suas costas e, do canto de seus olhos, viu o escorpião retirar o ferrão. Um torpor intenso começou a lhe afetar os membros.
"Seu tolo!", esbravejou o sapo, "Agora ambos morreremos! Por que você fez isso quando disse que não faria de novo?"
O escorpião encolheu os ombros e saltitou nas costas do sapo que se afovaga. "Não pude evitar. É minha natureza." E ambos afundaram nas águas lamacentas do rio veloz.



Moral da História:  Cuidado com as "alianças"

O perdão beneficia aquele que perdoa, por propiciar-lhe paz espiritual, equilíbrio emocional e lucidez mental.


Arte de  Arthur Braginski

Sim, deves perdoar! Perdoar e esquecer a ofensa que te colheu de surpresa, quase dilacerando a tua paz. Afinal, o teu opositor não desejou ferir-te realmente, e, se o fez com essa intenção, perdoa ainda, perdoa-o com maior dose de compaixão e amor.
Ele deve estar enfermo, credor, portanto, da misericórdia do perdão.
Ante a tua aflição, talvez ele sorria. A insanidade se apresenta em face múltipla e uma delas é a impiedade, outra o sarcasmo, podendo revestir-se de aspectos muito diversos.

Se ele agiu, cruciado pela ira, assacando as armas da calúnia e da agressão, foi vitimado por cilada infeliz da qual poderá sair desequilibrado ou comprometido organicamente. Possivelmente, não irá perceber esse problema, senão mais tarde.
Quando te ofendeu deliberadamente, conduzindo o teu nome e o teu caráter ao descrédito, em verdade se desacreditou ele mesmo.
Continuas o que és e não o que ele disse a teu respeito.

Conquanto justifique manter a animosidade contra tua pessoa, evitando a reaproximação, alimenta miasmas que lhe fazem mal e se abebera da alienação com indisfarçável presunção.
Perdoa, portanto, seja o que for e a quem for.
O perdão beneficia aquele que perdoa, por propiciar-lhe paz espiritual, equilíbrio emocional e lucidez mental.

Felizes são os que possuem a fortuna do perdão para a distender largamente, sem parcimônia.
O perdoado é alguém em débito; o que perdoou é espírito em lucro.

Se revidas o mal és igual ao ofensor; se perdoas, estás em melhor condição; mas se perdoas e amas aquele que te maltratou, avanças em marcha invejável pela rota do bem.
Todo agressor sofre em si mesmo. É um espírito envenenado, espargindo o tóxico que o vitima. Não desças a ele senão para o ajudar.

Joanna de Ângelis
Psicografia: Divaldo Franco

sexta-feira, 17 de julho de 2015

entregar-se significa sentir-se bem com o que você não sabe



Arte de Elizabeth Sayles

 “Há situações em que nenhuma resposta ou explicação satisfaz. Nesses momentos a vida parece perder o sentido
Às vezes entregar-se significa desistir de querer entender, e sentir-se bem com o que você não sabe."

Eckhart Tolle - O poder do Silêncio