quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Mas livre, bem livre, é mesmo estar morto.


Arte de Hugo Urlache

Liberdade

O pássaro é livre
na prisão do ar.
O espírito é livre
na prisão do corpo.
Mas livre, bem livre,
é mesmo estar morto.

Carlos Drummond de Andrade

Um comentário:

Bárbara Nascimento disse...

Ah corpo, onde quer que eu vá, preciso te levar pra que você me leve, na hora do regresso, agradeço-te pela estada, breve morada, mas, a vida é carretel de infinita linha a se desenrolar.

Via os pássaros caminhando sobre a terra e eu sem poder voar, não disfarço a alegria, sou tal qual o periquito que liberto da gaiola dá seu grito e resisti a regressar.

Reconhecendo as fragilidades, são tantas as necessidades, necessário se faz a volta para experiências que somente através de ti posso vivenciar.

Aqui neste velho abrigo, corpo, conselheiro, amigo, que possa nessa hospedaria, levar com honra essa estadia, até o regresso ao lar.

(Achei que os poemas conversavam muito)